Ser Vintage ou ser retrógrado? Eis a questão

segunda-feira, janeiro 23, 2017


Hello sweeties! Primeiramente gostaria de dizer que esse não é mais um post do tipo que tem em todos os blogs de temática retrô que buscam diferenciar os conceitos "vintage" e "retrô". Nah, acho que estão já carecas de saber o que cada um é... O questionamento hoje é com relação ao que vi no Facebook, uma picuinha entre "vertentes" de pensamento entre os amantes do universo retrô: as que amam a cultura vintage/retrô mas são feministas/progressistas e as conservadoras, que amam os valores por trás da cultura vintage. Claro que já dá pra ver que essa picuinha tem por pano de fundo a polaridade política bem ácida que permeia tudo hoje em dia, principalmente as redes sociais.
Mas, tem que haver um lado certo nessa patuscada? Essa é a pergunta que me faço. Lógico, quem se vê seduzido pelo universo vintage geralmente é por conta da estética do passado, a casca produzida pelo cinema e pelas histórias de homens e mulheres famosos que nos fazem criar um mundo imaginário regado a glamour e pessoas marcantes. Mas, se for mais à fundo na história do período, nem tudo o que se pensava nos "lindos anos 50" faria a cabeça de muita gente hoje em dia, principalmente se você for mulher. Hoje em dia a gente fala das Teddy Girls, Rockers, Beatniks e outras garotas de subculturas que nos inspiram na moda e atitude... Mas elas eram minoria! Um grupo de pequenas exceções pulverizadas pelo mundo. A maioria ainda era do tipo que até podia se ver seduzida por ideais rebeldes, mas, no final do dia, voltavam pra casa e desejavam ser uma esposa dona de uma linda casa e com um esposo parecido com aqueles seriados oldies tipo I love Lucy.

Temos que admitir que pelo menos era uma série muito boa kkkkk

Mas... Hoje em dia há pessoas, garotas inclusive, que são apaixonadas pelo passado justamente por isso! E o que há de errado nisso???? Do mesmo jeito que ninguém é menos "vintage" porque trabalha fora e mora sozinha (coisa beeeem incomum no passado), uma garota que curte os valores tradicionais do período não deve ser hostilizada por isso. Creio que quando elas falam que amam os valores do passado, nenhuma delas fala em colocar o capuz branco da KKK e sair por aí linchando negros ou sair colocando posts falando que rock and roll leva à devassidão kkkkkkkkk.
Ninguém é menos mais ou menos vintage por suas escolhas pessoais de como viver, e todas tem o direito de querer ser o que quiser, de astronauta a dona de casa, qual o problema disso?!
Quanto a mim nesse meio? Me vejo numa polaridade forçada mas na qual não quero decidir por um lado, pois sou um bicho que habita entre os dois kkkkkk... Não sou do tipo que quero ser aquela housewife perfeita dos anos 50, que tirava foto do lado dos eletrodomésticos novos... E também não sou aquela super feminista que fica pregando aos quatro ventos sobre empoderamento feminino em detrimento dos homens, sendo que muitos até lutaram em prol dos direitos das mulheres. Não, eu sou uma vintage moderna, independente e com direito a opinião... Mas com alguns valores conservadores... Defendo bandeiras de ambos os lados e também discordo de pautas de ambos os lados. Pra mim é como o bom e velho rock, que é uma criação de negros rebeldes jazzistas e brancos rednecks sulistas... Algo bom saiu da mistura de dois mundos que aparentemente sempre estariam separados e em conflito!
Bom, é por isso que gostaria que houvesse RESPEITO entre as progressistas e tradicionalistas pois, afinal, estamos aqui todos para celebrar nosso amor pelo passado, seja ele como for.
Sei que meu post não vai por fim nessa picuinha e é bem capaz de ter (mais) gente torcendo o nariz por ter dito isso... Mas, sabe como eu sou né... Tenho sempre que dar minha opinião kkkkkk


Desculpa pelo post desabafo e fiquem, pra compensar com um gif fofo da Clara Bow! Bjinhos e até a próxima!



  • Share:

Você pode gostar de:

4 comentários

  1. Fato, hoje em dia não ta fácil opinar sobre qualquer assunto, todo mundo leva pro lado pessoal, exclui e Etc. Mas acho que cada tem que ter seus pontos de vistas e isso é o que importa, se respeitando sempre :), ótimo post!

    www.mylittlecandy.com.br

    ResponderExcluir
  2. Amei, amei, amei.
    Sou daquelas que ama os valores de antigamente (apesar de morar junto sem ser casada e de ser uma péssima dona de casa kkkkkk) e que prefere ficar calada do que opinar, por medo de ser criticada e chamada de machista, quando, na verdade, não me identifico totalmente com nenhum dos lados, nem direita, nem esquerda. Tenho algumas tendências mais de direita, mas o meu namorado tem tendências mais de esquerda e sempre nos respeitamos. A base de tudo é essa. O respeito.
    Já percebi que aí no Brasil normalmente é pior. É tudo bem radical, talvez por conta dos problemas políticos que o país vem enfrentando nos últimos tempos. Acho que as pessoas sentem-se na obrigação de tomar uma posição inequívoca para não se sentirem omissas.
    Aqui em Portugal é um pouco mais pacífico (pelo menos, por enquanto).
    Pessoalmente, também defendo bandeiras de ambos os lados e acho que nenhum está totalmente correto. Tenho o meu próprio jeito de pensar e pronto. Só que, na internet, acabo por me retrair, pois tenho medo de ser mal entendida e até julgada.
    Excelente post. Ficaria aqui eternamente falando sobre o assunto.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Assim como você, estou no meio. Curto a ideia que foi criada pelos filmes Hollywoodanos da dona de casa perfeita (que não sou pois sempre cago em uma coisinha ou outra em alguma receita nova xD) assim como não estou 100% empoderada e/ou odeio homens.
    Acredito que 'estilos de vida' nos dias de hoje, podem muito bem ser mixados, já que somos uma geração com uma quantidade absurda de informação. Se definir como uma coisa apenas é tão monotono, não acha?!
    Adorei o post! Beijão!
    https://www.facebook.com/fofaepsicopata?fref=ts

    ResponderExcluir