A história da moda: Anos 60 - mods, beatniks, contracultura e... Minissaias!

sexta-feira, agosto 22, 2014

Bem... Cruzamos a metade do século XX, onde vimos cada vez mais uma moda fragmentada, jovem e democrática. A rebeldia jovem cada vez mais tornava o cenário cultural mundial num caldeirão de ideias, estilos, formas e cores. Era o fim da moda "única". Agora, mais do que nunca, a vestimenta estava mais associada ao comportamento do que a "tendência".
A influência dos Beatniks nos Estados Unidos e dos Mods na Inglaterra fez com que a juventude desta década se tornasse mais politicamente engajada e idealista. Livros como On the road, de Jack Kerouac, que criticavam a sociedade de consumo, se tornaram febre entre os mais novos. Pacifismo e contracultura eram as ideias da vez... E tudo isso se transparecia na moda. Como disse desde o começo, a moda, ou o modo de vestir, é e sempre será uma vitrine de transformações culturais e comportamentais... E os anos 60 são, ou pode se dizer que o são, o ápice disso.

Os Mods e Beatniks

Ambos surgidos no final dos anos 50, tiveram seu auge e maior influência nos anos 60. Os Mods e os Beatniks tiveram grande repercussão com seu modo de ser e com seu vestuário que marcaram toda a década de 60, somente entrando em declínio no início dos anos 70.
Sobre os Mods eu não irei me aprofundar mundo, pois já escrevi todo um post sobre o estilo Mod (Link aqui). Em termos de moda, o estilo Mod feminino era bem andrógino, adotando muitos elementos do vestuário masculino, como calças, retas, sapatos baixos, cabelos bem curtos e pouca maquiagem. O maior símbolo Mod na moda era sem dúvida a modelo Twiggy.

Twiggy. Maior símbolo da moda dos anos 60
Os Beatniks também tiveram um grande impacto cultural nos anos 60. Antes confinados em bares de Jazz em Nova York, nos anos 60 a "Geração beat", como no livro de Kerouac, eram os jovens que não se conformavam com a cultura materialista americana do momento, se recusavam a ser parte da grande massa "mainstream"... Pode se dizer facilmente que os Beatniks são o estereótipo que se tem hoje em dia de universitário de Humanas!!! kkkkk
O termo "Beatnik" é uma junção do termo Beat de Kerouac com o "nik" de Sputnik I, num claro deboche e alfinetada ao grupo por parte do jornalista Herb Caen, que o considerava "não-americano". Ou seja, Beatnik é um termo, apesar de popular para denominar o grupo, a sua forma mais pejorativa e estereotipada.
A moda da geração Beat era sem duvida uma moda de protesto, sendo baseada em itens de segunda mão e alguns elementos singulares, como o uso de boinas pretas, adornos da moda indiana, vestidos retos e blusas listradas... E quanto mais tons de preto melhor! Afinal, é um sinal de luto por uma sociedade culturalmente corrompida pelo materialismo e... Por aí vai...

Os beatniks

Alta moda: Moon Girls, piscicodelismo e sua Majestade, a minissaia

Podemos dizer sem medo que uma das maiores revoluções da moda nos anos 60 foi a minissaia, criada por Mary Quant e André Courréges. Apesar de levarem o crédito pela "invenção", a minissaia já era algo que fazia parte da moda de rua em Londres e Paris em meados dos anos 60.
O sucesso da minissaia abriu caminho para novos nomes no cenário da moda mundial, como Ossie Clark, Jean Muir e Zandra Rhodes. Na América, Bill Blass, Anne Klein e Oscar de la Renta, entre outros, tinham seu próprio estilo, variando do psicodélico (uma mistura muito louca entre Art Nouveau, Egito Antigo, oriente e... Muitas drogas), geométrico e romântico.

Exemplos da alta moda: modelitos de Ossie Clark

Em 1965, mais uma revolução no estilo com André Courréges. Com uma coleção de roupas com linhas retas, minissaias, botas brancas e futurismo, o estilista trouxe a corrida espacial para as passarelas: as moon girls, com trajes inspirados no tema espacial, com detalhes metálicos e fluorescentes.

Modelitos de Courréges de 1965

Seguindo a mesma tendência ultramoderna, Yves Saint Laurent criou seus famosos vestidos tubinho inspirados nos quadros de Mondrian... E também introduziu o smoking como uma vestimenta feminina.

O icônico tubinho  de YSL inspirado no quadro de Mondrian

Swinging London!

Na segunda metade da década de 60, podemos dizer que Londres era o centro mundial de tendências de musica, estilo, comportamento e afins. Enquanto os Estados Unidos estavam afundados na Guerra do Vietnã, a euforia econômica que se tomava no Reino Unido fez com que Londres fosse um centro vibrante e moderno. Era a "Avant-garde" do mundo, segundo a revista Vogue e Time ( que usou o termo Swinging London, em referência a rádio pirata Swinging Radio England, muito famosa entre os jovens).
O centro fashion de todo esse frisson se localizava nas ruas Carnaby e King's road, onde a moda Mod se tornou artigo de exportação para o mundo. A principal loja do momento e a queridinha das Chelsea girls (termo dado as meninas que usavam minissaia, franja no cabelo e frequentavam essas ruas) era a Biba,
 uma boutique que foi o epicentro da moda londrina até meados de 70.

Interior da butique Biba em Londres
Seu estilo inovador de vender roupas consistia em jamais colocar qualquer produto nas vitrines, de maneira a aguçar a curiosidade das pessoas fora da loja, ter uma decoração completamente inovadora dentro e ser a primeira butique de roupas do mundo a funcionar com música ambiente em tempo integral, no caso, Rock n' roll e pop britânico.
Um dos maiores legados da moda desse período foi o uso da própria bandeira do Reino Unido, a Union Jack, como ítem de moda, sendo incorporada aos casacos, blusas, vestidos e até lingerie.

Contracultura e a moda

No final dos anos 60, Londres, o reduto jovem mundial, perdeu a atenção para San Francisco nos Estados Unidos, onde várias manifestações de movimentos como feministas, pacifistas, nergos (black power), gays e hippies começavam a tomar uma repercussão mundial. O conjunto de toda essa maçaroca cultural recebeu o nome de contracultura, ou seja, uma busca de um estilo de vida fora do convencional, mais underground. Nesse passo, a moda começou a dar uma maior atenção a aspectos mais "politicamente engajados", como o vestuário camponês, operário e étnico.
Com a chegada do homem à lua em 1969, as revoltas estudantis em 68 e o festival de Woodstock... Os anos 60 se despediram dando lugar a uma década mais louca... E isso é no próximo post!!!

Como a tradição... Fiquem com algumas fotos das roupas e estilos dos anos 60... E até a próxima!










  • Share:

Você pode gostar de:

5 comentários

  1. Que blog lindo! Amei!
    Beijos
    http://oestranhomundodecamila.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  2. Amei o post e adorei demais ficar sabendo um pouco mais sobre esta década que eu amo!

    Beijos, Jell & Marcelo
    www.urbanoeretro.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eles tinham umas roupas bem legais nessa época
    Um beijo, te espero no blog
    ⋙ ♥ Blog livros com café SORTEIO

    ResponderExcluir
  4. Estou com um "humor sessentista" ultimamente e esse post veio na hora certa! ^_^ xxx

    vintagepri.blogspot.com

    ResponderExcluir