A história da Moda: Anos 40 - A Segunda Guerra e a moda prêt-a-porter

quinta-feira, agosto 14, 2014

Em abril de 1939 estourava na Europa aquele que entraria para a história como um dos conflitos mais sangrentos da história da humanidade. A segunda Guerra Mundial fez com que mais uma vez a moda tomasse rumos diferentes, a exemplo de sua antecessora de 1914.
Com Paris, o maior centro de exportação de alta costura, tomada pelos alemães em 1940, já não contava com suas grandes maisons, que haviam fechado suas portas mesmo antes da guerra estourar. Muitos estilistas se mudaram da França, fechando temporariamente suas casas ou levando-as para outros países.

Paris, Guerra e a moda

Assim como em outros segmentos da cultura francesa, os nazistas também tentaram destruir Paris como centro de referência da moda, levando as maisons parisienses para Berlim e Viena, mas não teve êxito.
O estilista Lucien Lelong, que na época era o presidente da câmara sindical, lutou para o permanecimento das casas em Paris. Graças a ele, 92 maisons continuaram em pleno funcionamento durante a guerra.
Graças a Lucien e seus esforços, ainda podemos ver Paris como um dos principais e mais tradicionais polos de moda do mundo.

Lucien Lelong
A moda de guerra

Mesmo antes do início da Segunda Guerra, a silhueta do vestuário feminino já se aprofundava em uma temática mais militar, esta que durou até o final dos conflitos. Com o racionamento de materiais, típicos em tempos de guerra, fez com que além das mulheres aprenderem a reformar as próprias roupas, apelassem para materiais alternativos, como a viscose, o raiom e as fibras sintéticas.
Na Inglaterra, o Fashion group of Great Britain criou 32 peças que poderiam se produzidas em massa. Todas de corte militar, mas com a nobre intenção de fornecer roupas atraentes apesar das limitações.
Um dos tecidos mais utilizados nessas peças era o Tweed, sendo mais pesado e resistente que os demais.

Exemplos da moda do Fashion group of Great Britain, vestidos
simples, cortes militares, com ombreiras e tecidos mais resistentes.

Com a dificuldade de se produzir um look mais "elaborado", aliado a falta de cabeleireiros e até de xampu, as mulheres da década de 40 criaram um grande acervo de chapéus lenços e bandanas... Isso sem contar nos penteados fabulosos.

Além dos chapéus, uma das modas mais interessantes
que "faziam a cabeça" das mulheres era o turbante. Reparem
na variedade de opções
O fato das grandes maisons estarem fechadas durante o período fez com que novos nomes despontassem no cenário internacional, como Jacques Fath, Nina Ricci, Marcel Rochas (um dos primeiros a colocar bolsos em uma saia!), Alix Grès e Charles James, sendo este ultimo um dos mais famosos no período, chegando a antecipar o "new look" de Christian Dior. (links das biografias no final do post)

O surgimento do prêt-a-porter

Com o isolamento de Paris, pela primeira vez as americanas se viram à vontade para criar seus próprios modelitos. O "ready to wear", ou em francês prê-a-porter, se desenvolveu em larga escala. Funcionava da seguinte maneira: as mulheres recebiam em casa catálogos com os modelos da "coleção", onde elas poderiam fazer os pedidos com a promessa de que o produto pronto chegaria em 24 horas.

Catálogo de roupas da década de 1943

Nesse contexto surgiram os conjuntos, onde as mulheres poderiam combinar com outras peças, ampliando as possibilidades de um guarda-roupa outrora limitado. A moda prêt-a-porter, antes uma alternativa para tempos difíceis, se tornou uma prática moderna e comum no modo de se vestir.

Fim da Guerra e a nova moda

Com a libertação de Paris e, em 1945, o fim da Segunda Guerra, a Paris livre queria retomar seu posto de direito como a metrópole da moda. Invadida pelas meias de nylon americanas e o jazz contagiante, a França viu como alternativa criar uma exposição de moda, com o intuito de angariar fundos e reafirmar a força da moda francesa. Infelizmente a falta de materiais para tal evento era algo ameaçador... Mas contornado com muita criatividade. Ao invés de modelos reais, foram usadas pequenas bonecas, todas vestidas com o que havia de melhor da alta costura francesa.
O teatro da moda, como ficou conhecido, foi um sucesso tremendo, sendo levado para outros países como Espanha, Inglaterra e Estados Unidos. (não vou falar muito disso pois quero lançar um post só sobre esse evento em breve... hehehe)

Bonecas do Teatro da moda em 1945

A moda no pós guerra seguiu ainda uma "roupagem" bem parecida com a dos anos 30, austera e prática, bem ao estilo Chanel de ser (apesar de sua maison ainda estar fechada)... Até que o estilista francês Christian Dior, em 1947, surpreendeu o mundo fashionista com suas saias bem rodadas, cintura fina e seios naturais. O "new look" era algo que as mulheres estavam ansiosas. Uma nova glamourização da moda, um anseio pelo luxo e sofisticação e... O prelúdio do de a moda seria nos anos 50: luxuosa e feminina.

Bom, para aqueles curiosos por conhecer mais sobre os grandes estilistas da década... Seguem os links:

Jacques Fath (link aqui)
 Nina Ricci  (link aqui)
Marcel Rochas (link aqui)
Alix Grès (link aqui)
Charles James (link aqui)

Fiquem com algumas imagens da moda da década de 40 e... Até a próxima!














  • Share:

Você pode gostar de:

2 comentários

  1. Amei o post!!!!! A história da moda é uma das coisas que mais me interesso no mundo!

    Muito bem lembrado o teatro da moda ♥ Essa moda das saias ajustadas e dos cortes militares são lindos, sem contar os casacos, né?

    Continuarei acompanhando a saga de história da moda porque sempre temos algo novo a aprender ♥

    Beijocasssss, Gabi Santoro.
    www.imcherrybang.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei o post, amo história da moda!

    Beijos, Jell & Marcelo
    www.urbanoeretro.com.br

    ResponderExcluir