Maxixe - o tango brasileiro!

segunda-feira, junho 02, 2014

Fotografia de Édouard Stebbing 
de c. 1910 intitulada "O maxixe"
Em termos de danças "vintage", sempre achei um tanto injusto a maioria das pessoas sempre buscarem ritmos e estilos de fora... Entre o tango, o charleston, o foxtrot, o swing entre outras variações de danças
que estavam em voga na primeira metade do século XX... Havia uma dança made in Brazil que fazia a alegria de todos, mas que hoje em dia está no limbo: o maxixe (por favor, não confundir com a dança do maxixe... que não merece nem ser citada aqui né...). Muito antes do que a gente entende por samba e as suas variações, como a gafieira e o choro, o maxixe pode ser considerado como um dos primeiros gêneros brasileiros a alcançar sucesso internacional, ganhando notoriedade assim como seu primo argentino (o tango) nos bailes de Paris no início do século XX.
Quem viu algumas novelas da Globo ambientadas neste período do início do século XX com certeza já ouviu alguma musica ou viu alguém dançando... Mas é difícil ver quem saiba o que é ou o que ele representa... Então, vou colocar aqui uma breve história que explica porque este ritmo tão peculiar é importante.


História

Casal dançando maxixe.
O ritmo, segundo hipótese levantada por alguns estudiosos, foi influenciado pela música trazida por escravos
de Moçambique, daí advindo seu nome, que é o mesmo de uma cidade moçambicana. Ainda hoje, o padrão rítmico da marrabenta (música moçambicana) guarda semelhanças com os padrões rítmicos do maxixe. Outra hipótese, contudo, aponta a origem do nome numa pessoa de nome "Maxixe" que, certa vez, teria, num baile de carnaval na cidade do Rio de Janeiro, dançado o lundu num ritmo diferente, criando, assim, a dança maxixe.Ainda há a hipótese de que a planta maxixe (eca!) batizou essa nova dança que, por assim dizer, também brotava nos quatro cantos da cidade.
Sendo a primeira dança urbana surgida no Brasil, sua origem remonta ao bairro Cidade nova, onde havia uma grande concentração de negros. Diferente do lundu, onde todos participam dançando, cantando e batendo palmas, o maxixe se limitava a dança ao som de uma banda. Aí já vemos que esta dança já nasceu do choque de culturas europeias com a africana.

Seu caráter lúdico e sensual, onde o casal dança com o corpo bem colado e com movimentos bem sugestivos (um escândalo na virada do século), foi alvo de forte preconceito, sendo rotulado como uma dança indecente para a sociedade. O seu apelido, o tango brasileiro, era muito utilizado para tentar burlar este preconceito para com as composições. Fato que explica que muitas musicas de maxixe sejam até
Cartaz francês anunciando o maxixe e o tango
conhecidas, mas não vinculadas a dança. 
Mesmo assim, o maxixe se popularizou entre os bailes carnavalescos e teatros de revista, tornando-se o estilo de dança mais importante no Rio de Janeiro no início do século XX. 
Como já havia dito, sua popularidade fez com que o ritmo fosse exportado, sendo a maior sensação na Europa e nos Estados Unidos, sendo dançado pelo notório dançarino Duque em Paris.



Legado

O maxixe pode ser apontado como uma das primeiras manifestações musicais populares do Brasil e como um dos precursores do samba, em sua forma ritmica no canto e na dança. O maxixe foi a maior influência
nas obras de Donga e Sinhô, os pioneiros do samba. Uma das principais compositoras de maxixe, a famosa Chiquinha Gonzaga, é tida até hoje como a precursora das marchinhas de carnaval.
Enquanto dança. o maxixe esté muito presente nos passos do samba de gafieira, no samba de breque e no samba choro. Outro estilo musical, a lambada, deve muito ao maxixe quanto dança!

Para os que ficaram curiosos com a dança e a musica... Segue alguns links para desfrutar o melhor do som brasileiro do início do século XX!

Corta-jaca, de Chiquinha Gonzaga, 1910-1912



Amapá (ou tango do Amapá), de Costa Júnior, 1901



Como dançar o maxixe



Casal dançando maxixe em 1915!


  • Share:

Você pode gostar de:

4 comentários

  1. Acho super lindo quem dança maxixe
    é um dança muito alegre.

    Beijos
    http://pinagirlscris.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Palmas, bravo, viva... (Gritos de alegria)

    Muito esse post, parabéns pela joia que você trouxe para abrilhantar esse mundo louco que vivemos, não podemos nos esquecer do nosso passado recente, gostei mesmo desse seu post, pois me mostrou algo que eu sempre quis saber o que era e esquecia de procurar.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Até agora eu só gostava de um tipo de maxixe, aquele que a gente compra na feira, dá uma raspada com a faca para tirar os espinhos e corta bem fininho para refogar e que álias acho uma delícia kkk. Comparações a parte saiba que adorei conhecer essa dança tão tradicional do nosso Brasil através do seu post. Eu curti demais, parabéns pelo excelente post Ina!

    ResponderExcluir