"Em que ponto a massa desandou?"

terça-feira, dezembro 10, 2013


Assim como no começo deste blog, me deparei mais uma vez com uma foto que me levou a um turbilhão de pensamentos e reflexões, onde aparece a comparação de duas imagens: a esquerda, duas mulheres, caminhando sorridentes, alinhadas... e A direita três meninas abraçadas, com trajes mínimos, parecendo até ligeiramente embrigadas (ou só alegrinhas mesmo).
Postei a foto na fanpage e vi que várias pessoas curtiram talvez pensando o mesmo que eu comecei a me indagar ao ver a montagem: onde será que as coisas começaram a mudar? Como isso aconteceu?

Acho que pra começar temos que voltar um bom tanto no tempo, lá no início do século passado, onde as mudanças do guarda roupa feminino começaram a tomar uma velocidade nunca antes vista. Cada vez mais os itens considerados supérfluos e desconfortáveis foram caindo em desuso junto com as ideias de que mulheres deveriam andar como verdadeiras bonecas, praticamente estáticas, escondidas dentro de um sufocante espartilho e milhares de rendas e bordados. As roupas se tornaram uma vitrine das reivindicações femininas para o novo século, onde mulheres abandonavam seus postos de bonequinhas e passavam a ser seres ativos, trabalhadores, com voz e personalidade. Se a gente for parar só na década de 20, a gente já observa a revolução que se instaurava no guarda roupa feminino, gritando para a liberdade com suas pernas e braços a mostra, panos leves e que revelavam as curvas do corpo livre das marcas dos corsetts e espartilhos. Da década de 20 em diante o vestuário feminino sempre foi a principal via de expressão
feminina onde em seu próprio corpo elas diziam o que pensavam, colocando calças para ir trabalhar nas fábricas durante a guerra e subindo vertiginosamente suas saias em sinal de rebeldia nos anos 60... Mas até aí tudo parecia ainda bonito... De certo modo...
Talvez as coisas ainda estejam nesse curso, onde mulheres mostram em seu vestuário, por mais que achamos fútil e vulgar, as suas opiniões, suas vozes... E também seja um pouco de resistência de nosso olhar com a "modernidade", onde nosso "conservadorismo" nos remonta as épocas áureas do vestuário feminino. As vezes nos esquecemos que a primeira mulher que ousou a sair de calça também foi chamada de "vulgar", e a "flapper" que tanto falo aqui neste blog era o exemplo de "menina errada"... O que acho errado é que alguns tem a nós, os que querem retomar o que é vintage, o melhor das eras passadas, como pessoas "anormais"... Infelizmente ainda é mais aceito você sair seminua como as meninas da foto acima do que com um vestido anos 50.

Há também outra coisa que incomoda na foto: o fato de uma certa padronização no ideal de beleza atual, não só na maneira de se vestir, mas dos cabelos, da "postura"... E das medidas (reparem como as menininhas precisam urgentemente de um prato de farinha pra comer...). Nós não somos "aceitos" como estas meninas são porque ousamos a não nos encaixarmos nos padrões atuais. Somos tão variados, de tantas formas e cores que é mais fácil aceitar o que é padrão, mesmo que "feio", do que a nós...

Pra finalizar... Acho que o lance é o respeito de qualquer estilo, desde o meu que adora saias na linha do joelho e vestidos com modelos retrôs... Ao vestidinho micro, short de renda parecendo protetor de botijão de gás, hot pants, e cabelos super compridos e alisados... RESPEITO AS DIFERENÇAS!!! Cada um deve ser como quer! Se você quer andar como todo mundo se veste... QUE SEJA FELIZ!!! Mas... Respeite a nós que optamos por resgatar as belezas do passado e aumentar a diversidade desta nossa tão limitada sociedade.




  • Share:

Você pode gostar de:

4 comentários

  1. Olá, acabo de visitar seu blog e segui-lo. Lhe desejo foco, sucesso e força. Que conquiste muitas realizações através do mesmo. E também convido você e seus/suas leitores/leitoras a conhecer o meu blog: toobege.blogspot.com.br . Beijinhos e espero você lá também *0*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Mariana! Te desejo o mesmo e já estou seguindo o seu!

      Excluir
  2. I have to say I don't understand how we went from the elegance of the vintage shape to actually accept going out half naked...I guess to each their own. But I do have a hard to respecting someone who will literally walk around like a street walker.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. I'm brazilian and here it's quite usual to see on the streets women using suggestive clothing, because women here are more proud of their bodies and like to show this (and it's very hot here...)... But I don't like this and I choose to put some elegance of the past in my life... But that is what I like and I have to respect who doesn't like the same things than me... This is very hard... But... What I can do? You can't change the taste of a person, you have to respect like they want to be... That's what I think... But I offer my help for everyone who wants to change...

      Excluir