Rockabilly - O início da história do rock (Parte III)

sexta-feira, novembro 01, 2013

Para este penúltimo (JURO!) post sobre bela história da gênese do meu ritmo favorito, trarei a biografia de mais dos MONSTROS do gênero... Chuck Berry e Elvis Presley! Depois de passar por todos os momentos nos posts anteriores, da genealogia aos primeiros mestres... Nada melhor do que encerrar esta introdução com a história destes dois grandes representantes do rockabilly. Sei que há outros grandes nomes do gênero que também se destacaram, como Roy Orbinson, Johnny Cash, Little Richard, Eddie Cockhran... Mas, nenhum deles (acho que só o Cash...) chegou a grandeza de Chuck e Elvis...


Chuck Berry: o inventor do Rock and roll


Chuck Berry, ou  Charles Edward Anderson Berry é cantor, compositor e guitarrista dos primórdios do rock, sendo apontado por alguns como sendo o "inventor do rock". Bom, ele pode não ter sido o inventor, mas ele merece o crédito, que não é pequeno, de ter sido um dos primeiros que fez a mistura dar certo, e com sucesso!
Foi eleito pela revista Rolling Stone o 5º maior artista da música de todos os tempos, e foi considerado o quinto 
melhor guitarrista do mundo pela mesma revista.
Nascido em St. Louis, Missouri, Berry foi o quarto filho de uma família de seis pessoas. Sua infância foi em um bairro de classe média chamado The ville, onde desde cedo, por suas condição financeira estável, pode desenvolver seu talento para a música. Aos dezoito anos, Cuck foi preso por tentativa de assalto e passou três anos em um reformatório no Missouri, onde formou um quarteto e teve lições de boxe. 
Após sua saída da prisão, casou-se com Themetta "Toddy" Suggs e exerceu vários ofícios, como operário em fábrica de automóveis, zelador de prédio, esteticista... E a noite tocando em clubes para garantir uma renda extra.
Berry foi influenciado por Nat King ColeLouis Jordan e Muddy Waters, que acabaria o apresentando a Leonard Chess, da gravadora Chess. Enquanto ainda existem controvérsias sobre quem lançou o primeiro disco de rock, as primeiras gravações de Chuck Berry, como "Maybellene", de 1955, sintetizavam totalmente o formato rock and roll, combinando blues com música country e versos juvenis sobre garotas e carros, com dicção impecável e diferentes solos de guitarra. A maioria de suas gravações mais famosas foram lançadas pela Chess Records, com o pianista Johnnie Johnson, o baixista Willie Dixon e o baterista Fred Below. Juntamente com o guitarrista Berry, eles se tornaram o sumário de uma banda de rock.
Em 1957, Chuck esteve no Biggest show of stars of 1957, do Alan Reed, onde saiu em turnê junto com Everly Brothers, Buddy Holly, entre outros. Entre 1957 e 1959, Berry conseguiu emplacar vários sucessos entre as musicas mais tocadas, como School Days, Rock and Roll Music, My sweet Little Sixteen e Johnny B. Goode.
Sua carreira era uma das mais bem sucedidas até o escândalo de 1959, quando ele convidou uma índia apache de 14 anos que havia conhecido no México para trabalhar em seu clube noturno em St. Louis. A garota acabaria sendo pega pela polícia, assim como Berry, que foi acusado de entrar com uma menor nos limites do estado com propósitos sexuais. Ele foi condenado a cinco anos de prisão e multado em 5,000 dólares. Chuck foi solto em 1963, mas seus dias de glória ficaram para trás. 
Sua volta para as gravadoras só foi possível por causa da "Invasão britânica", principalmente The Betles e The Rolling Stones, que haviam mantido o seu legado no início da década de 60 com regravações de alguns de seus singles.  Ele ainda obteve sucessos com "You never can tell" e "No particular place to go", lançada em 1964. Em 1966 ele gravou pelo selo Mercury Records uma compilação de todos os seus sucessos, utilizando técnicas mais modernas de gravação. A partir de então, Chuck Berry raramente voltaria a lançar músicas novas, preferindo capitalizar para si o sucesso que suas canções clássicas tinham junto ao público. 
Uma curiosidade sobre sua obra: sua musica mais famosa, Johnny B. Goode, é um dos sons levados pelas  naves Voyager 1 e 2 para o espaço, caso haja contato com seres extraterrestres.


Elvis... O REI!

Elvis Aaron Presley é uma daquelas raras pessoas que dispensam cerimônias para a sua apresentação. Você pode chamá-lo de O rei do rock, ou simplesmente O rei!
Nascido em Tupelo, Mississipi, Elvis foi um dos maiores fenômenos musicas a aparecerem nesta pequena pedra que chamamos de Planeta Terra. Sua voz, de alcance surpreendente, era capaz de atingir notas que, para especialistas, são extremamente difíceis para um cantor popular. Além disso, acrescenta na sua mistura um poderoso senso rítmico, força interpretativa e um timbre de voz angelical. 
Elvis Aaron Presley nasceu na cidade de East Tupelo (East Tupelo seria agregada mais tarde à cidade de Tupelo, formando assim uma única cidade), no estado do Mississippi, no dia 8 de janeiro de 1935, único sobrevivente ao parto de gêmeos univitelinos.  Nos seus primeiros anos de vida, cresceu em meio aos destroços de um furacão que devastou sua cidade no dia 5 de abril de 1936. O estado do Mississipi era nessa época um centro do racismo americano, mas aquele triste acontecimento acabou propiciando uma união entre brancos e negros, que deixaram de lado por algum tempo o conflito racial, tudo em prol da reconstrução da cidade. 
Em 1945, Elvis participou de um concurso de novos talentos na "Feira Mississippi-Alabama", onde conquistou o segundo lugar e o prémio de 5 dólares, mais ingressos para todas as diversões. Elvis, na ocasião, cantou Old Shep, canção que retrata o desespero de um menino pela perda de seu cão. No mesmo ano, o seu pai presenteou-o com um violão, que passou a ser a sua companhia constante, inclusive na escola. Elvis e a família mudaram-se para Memphis no dia 12 de setembro de1948. A família Presley morou por bastante tempo em condições precárias. Entre 1948 e 1954, Elvis trabalhou em várias atividades. Foi lanterninha de cinema e motorista de caminhão. Concluiu seus estudos em 1953. Nas horas vagas, cantava e tocava seu violão e, eventualmente, onde possível, arriscava alguns acordes ao pianoAs suas influências musicais foram a pop da época, particularmente Dean Martin; a country; a música gospel, ouvida na 1ª Igreja Evangélica Assembleia de Deus da sua cidade; o R&B, capturado na histórica "Beale Street", em sua adolescência, na cidade de Memphis; além de seu apreço pela música erudita particularmente a ópera. Um de seus maiores ídolos era o tenor Mario Lanzar e, naturalmente, cantores gospel como J. D. Sumner, seu preferido.
Em 18 de julho de 1953 e posteriormente em 4 de janeiro5 de junho e 26 de junho de 1954, Elvis grava algumas canções de forma experimental, no "Memphis Recording Service", filial da Sun RecordsMas foi efetivamente em julho de 1954 que Elvis iniciou sua carreira profissional. No dia 5 de julho de 1954, por muitos o "marco zero" do rock,  Elvis ensaiava algumas canções , até que, em um momento de descontração, de forma improvisada, começou a cantar o blues "That's All Right, Mama" de Arthur Crudup, provocando em Sam Phillips um grande entusiasmo. No dia 7 de julho as duas canções são executadas pela primeira vez numa rádio de Memphis. O resultado é um sucesso absoluto. Depois disto dá-se início uma subida meteórica ao estrelato. O ano de 1955 pode ser avaliado como a gênese do sucesso nacional de Elvis. Além das inúmeras polêmicas em torno das suas apresentações, somam-se a isso as suas performances em programas de rádio e algumas apresentações em programas locais de televisão, onde ele se destaca. As suas canções começam a fazer sucesso nacionalmente. 
Em 1956, Elvis tornou-se uma sensação internacional. Com um som e estilo que, uníssonos, sintetizavam suas diversas influências, ameaçavam a sociedade conservadora e repressiva da época e desafiavam os preconceitos múltiplos daqueles idos, Elvis fundou uma nova era e estética em música e cultura populares, consideradas, hoje, "cults" e primordiais, mundialmente. Suas canções e álbuns transformam-se em enormes sucessos e alavancaram vendas recordes em todo o mundo. Elvis tornou-se o primeiro "mega star" da música popular, inclusive em termos de marketing. Muitos postulam que essa revolução chamada rock, da qual Elvis foi emblemático, teria sido a última grande revolução cultural do século XX; já que, as bandas, cantores e compositores que surgiram nas décadas seguintes - e fizeram muito sucesso, foram influenciados, de alguma maneira, direta ou indiretamente por Elvis, o que pode ser considerado verdade. O preço do pioneirismo transformador, entretanto, é altíssimo. Elvis foi implacavelmente perseguido pelos múltiplos segmentos reacionários estadunidenses e por todas as etnias: os brancos, que o consideravam vulgar, e representante de um estilo musical menor, feito por negros - E também perseguido pelos negros, que não o reconheciam em seu estilo musical, no qual um branco não deveria ser representante. Elvis, em verdade, foi perseguido e tornou-se vítima de muitos preconceitos por ir de encontro a um sistema estabelecido e quiçá por ter origens humildes, um "caipira sulista", fato pelo qual ele sempre foi discriminado.
Elvis é lembrado como um dos maiores nomes da música em todos os tempos, ainda que sua importância maior talvez ainda esteja por ser estudada e compreendida por sociólogos, historiadores e psicólogos. 
Suas apresentações televisivas quebraram todos os recordes de audiência, além das inevitáveis polêmicas geradas por suas performances explosivas. Podem ser citadas como exemplos, as interpretações de "Hound Dog" nos programas de Ed Sullivan e Milton Berle. Um fato bastante propalado e que evidencia esse momento são as famosas censuras em torno de suas apresentações televisivas, fato comprovado pelas apresentações onde ele foi filmado da cintura para cima, uma em 1956 no programa "The Steve Allen Show" e outra em 1957 no programa The Ed Sullivan Show. Os filmes Love Me Tender, Loving You, Jailhouse Rock e King Creole foram um grande sucesso de público e, principalmente, os dois últimos, também tiveram seus méritos reconhecidos pela crítica especializada. 
Durante sua passagem pelo exército, sua mãe morreu e isto afetou seriamente Elvis pelo resto de sua vida. 
Em março de 1960, Elvis retornou da Alemanha e surpreendeu o mundo ao aceitar o convite para participar do programa de Frank Sinatra, "The Frank Sinatra Show - The Timex Special", realizando uma de suas melhores performances televisivas. Selou, a partir de então, uma relação de cordialidade com seu anfitrião e com Sammy Davis, Jr. - com quem, inclusive, ensaiou os números de orquestra -, que perduraria ao longo de sua vida. O programa bateu todos os recordes de audiência do ano, inserindo Elvis em um nova faixa de público e apresentado pela "Rat Pack". 
Em 28 de junho de 1968 começou a gravação de um especial que seria lançado em dezembro de 1968, especialmente para o Natal, Presley gravaria por 3 dias seguidos, quatro shows, dois sentado com a antiga banda em 28 e em 29 gravaria mais dois shows, agora sem a sua banda, sozinho no palco. Dia 30, último dia de gravações, Presley cantou algumas canções atuando. Elvis Presley apresentou-se nacionalmente para a televisão estadunidense, o Elvis NBC TV Special; em um mega-programa que, a posteriori, seria considerado o primeiro acústico da história. Em performance considerada até os dias atuais como magistral, Presley foi aclamado pelo público e crítica especializada. Neste especial, que foi ao ar poucos meses depois da morte de Martin Luther King, assassinado em abril na cidade de Memphis, e por isso mesmo no auge do racismo, Elvis apareceu ao lado do grupo vocal chamado "The Blossoms", grupo que era composto por três mulheres negras (Fanita James, Jean King, Darlene Love) no horário nobre, fato que causou uma grande polêmica. 
No ano de 1969, Elvis retornou aos palcos, após 8 anos de afastamento voluntário do contato direto com o público. O lugar escolhido foi Las Vegas, onde passou a realizar várias temporadas anuais regularmente; aclamadas pela crítica e público. Vegas, seria, em verdade, sua grande escola. Elvis não fora "crooner", não passara anos a fio cantando na noite e saíra do anonimato para o esplendor em muito pouco tempo. Nos anos 50, suas apresentações explosivas eram, em verdade, espontâneas e intuitivas; tão fascinantes como, de certa forma, ingênuas e amadoras. Pois, a partir deste 1969, Elvis Presley amadureceria sua performance e tornar-se-ia um cantor experiente e com domínio cênico, além de ser avaliado como fantástico pela crítica da época, além de profissional e exuberante. E excêntrico, com suas roupas ainda mais extravagantes e estilizadas. O ano de 1969 também seria marcado por sessões de gravação muito produtivas e pela escolha de um repertório e equipe musical de grande qualidade. A resposta foi imediata: "Suspicious Minds", "In the Ghetto" e "Don't Cry Daddy" tornam-se "big hits" em todo o mundo.
O ano de 1970 denotou um grande amadurecimento cênico e vocal de Elvis Presley, em relação ao anterior. Novas temporadas em Las Vegas ocorreram, com mudanças radicais em repertório - mais versátil e atualizado para aqueles dias -; shows avaliados como eletrizantes, tanto pela crítica como pelo público, porém com roteiros mais elaborados. Muitas dessas apresentações foram gravadas e deram origem a discos como "On Stage". Pela primeira vez no mundo, um artista prescindia de seu nome na capa - no original. 
No mesmo ano de 1970, Elvis surpreendeu o show-business com a realização do documentário That's The Way It Is, filmado nos meses de julho e agosto, com cenas de estúdio e ao vivo; lançado no final do ano nos Estados Unidos - e, no ano seguinte, no Brasil. A película foi recebida com sucesso estrondoso, particularmente no Japão, onde quebrou recordes de público, com filas intermináveis. 
Entre 1970 e 1972, Elvis Presley realizou, com enorme êxito, várias turnês pelos Estados Unidos e, motivado pelo grande sucesso de "That's The Way It Is", um novo filme foi idealizado; desta feita, na tentativa de capturar a intimidade e o ritmo frenético do astro e seus fãs nestas empreitadas. Então, em 1972, concluiu-se o documentário Elvis on Tour, de concepção bastante moderna para a época, vencedor do Globo de Ouro daquele ano, em sua categoria. Também em 1972, Elvis apresentou quatro mega-espetáculos em Nova Iorque, no lendário Madison Square Garden. Novos recordes foram quebrados, de público e arrecadação.
Apesar de estar mergulhado em problemas pessoais e de saúde, mas no auge como artista, em 14 de janeiro de 1973, Elvis Presley realizou o primeiro show via satélite do mundo, transmitido, ao vivo, para muitos países - inclusive o Brasil, pela Rede Tupi - e, posteriormente, para quase todo o planeta. O especial, Aloha from Hawaii, foi assistido por aproximadamente 14 milhões de telespectadores - número surpreendente para aqueles dias. Nos Estados Unidos, sucesso estrondoso, foi ao ar em abril de 1973, tendo recebido o seguinte comentário no editorial do jornal The New York Times"Elvis superou sua própria lenda!".
Mesmo cada vez quebrando seus próprios recordes, melhorando sua extensão e maturidade vocal, Elvis já não era o de outrora, extremamente abatido por seus problemas pessoais, peso e drogas. Sua saúde já estava bastante deteriorada enquanto ele ainda tentava fazer grandes shows em 1977.
No dia 16 de Agosto de 1977 o mundo deu adeus a Elvis, morte que provocou uma comoção mundial Os fãs se aglomeraram em maior número em frente a mansão. As linhas telefônicas de Memphis estavam tão congestionadas que a companhia telefônica pediu aos residentes para não usarem o telefone a não ser em caso de emergência. As floriculturas venderam todas as flores em estoque. O velório aconteceu no dia 17. Alguns, dos milhares de fãs, puderam ver o caixão por aproximadamente 4 horas.
raramente vista.
Depois de seu falecimento, vários acontecimentos tornaram Elvis Presley ainda mais famoso e até, segundo alguns, memorável; consequentemente, mais pessoas tornaram-se fãs de sua obra. Posto o ídolo, inaugurou-se o mito, que mesmo hoje, em 2013, ainda arrebata corações como em seus anos mais áureos! O cara merece todo o respeito!!!

BOM... Sei que me empolguei pra falar do rei, mas não tem como encurtar mais a vida desse homem, menos do que isso seria sacrilégio... Mas enfim, em breve colocarei a ultima parte dessa bela história... 

  • Share:

Você pode gostar de:

0 comentários