O sétimo selo - 1956

sábado, agosto 10, 2013


Det sjunde inseglet (O Sétimo Selo em português) é um filme sueco de 1956, drama, escrito e dirigido por Ingmar Bergman. O filme é baseado numa peça de teatro de autoria do diretor.
O filme ambienta-se em um dos mais obscuros e apocalípticos períodos da Idade Média européia. O título é uma remissão ao livro de Apocalipse na Bíblia. Segundo esta escritura, na mão de Deus há um livro selado com sete selos e a abertura de cada um destes selos implica num malefício sobre a humanidade, mas a abertura do sétimo é o que leva efetivamente ao fim dos tempos.
Bergman busca no mundo medieval o medo apocalíptico, seja o temor de que o mundo pode acabar de repente ou de que ele seja dizimado gradualmente pela peste, o que acaba por expôr a preocupação própria do diretor com essa mesma questão. O filme foi lançado em 1956, período em que os traumas da Segunda Guerra Mundial, dos horrores recém descobertos do holocausto e da bomba atômica ainda marcavam a vida dos europeus, isso sem contar com a ameaça nuclear da Guerra fria. Esses traumas recentes eram vistos por muitas pessoas como presságio de que a humanidade encaminhava-se para o Juízo final. 
O Sétimo Selo tem por tema fundamentalmente a questão do medo da morte; um cavaleiro que volta da Cruzada da Fé para encontrar em sua terra a peste e morte. Quando ele mesmo se depara com a personificação da morte, aceita-a como um visitante esperado, mas propõe-lhe uma negociação – numa disputa de xadrez - para que possa ganhar tempo e indagar sobre o sentido da vida e, conseqüentemente, o sentido da morte. Dessa forma, abre-se uma pausa no caminho da morte para vermos qual é o sentido da aflição que está sendo promovida e qual o caminho possível para fugir desse destino.O jogo de xadrez aparece talvez como uma alegoria da busca do cavaleiro a um entendimento da vida através da racionalidade que, ao final do filme, fica evidente que não seria possível, assim como, o cavaleiro mesmo percebe, não seria possível vencer a Morte.
Um filme genial e profundo, cheio de questionamentos e que não deixa de ser atual, apesar de sua idade.


BOM FILME!

  • Share:

Você pode gostar de:

0 comentários